Contos:666



O relato que passo a narrar é verídico e passei a tomar conhecimento desta história em minhas férias no mês de janeiro. Talvez não seja propriamente uma história de terror, mas sim um relato sobrenatural...

No município de Navegantes, litoral de Santa Catarina, existe mais um destes homens que vivem com problemas por consumo exagerado de bebidas e até mesmo alguns tipos de drogas. Devido a isto ele anda sozinho até altas horas da noite e é conhecido por todos os bares da região, pois além de ser freqüentador assíduo costuma importunar os clientes e donos de bar para ganhar alguma bebida. Sempre mal trapilho, sujo e com odor ruim ele passa os dias bebendo nos bares e arruma uns trocados fazendo alguns bicos ou consegue dinheiro com a família muitas vezes pegando sem autorização. Certamente mais uma alma atormentada que sucumbiu aos problemas da vida.

Certa noite este homem, já bêbado e fora de si,  adentrou por um dos bares da região. O ambiente era degradante, com pouca iluminação e freqüentada por pessoas de caráter duvidoso que enchiam a cara bebendo em algumas das mesas ou no balcão do bar. Assim que chegou já começou a importunar o dono do estabelecimento pedindo que lhe fosse vendido uma dose de pinga fiado. Mesmo diante da negativa continuou insistindo até que um homem escutou a conversa e o chamou para a sua mesa que era compartilhada com outras pessoas.

Então disse que lhe pagaria uma garrafa de pinga se ele escrevesse na pele da sua testa o número 666. Apesar de bêbado o homem ficou pensativo e os outros homens da mesa começaram a provocá-lo dizendo que ele não teria coragem e não seria homem para isto. Alguns deles passavam copos de pinga na frente de seu rosto e o tomavam em um gole, brincando com o seu vício e instigando a sua vontade. Diante das provocações e da vontade imensa de beber aceitou a proposta e escreveu com um caco de vidro o número na sua testa.

A aposta foi paga com a garrafa de pinga e a cicatriz na sua testa está gravada para sempre. A sua fisionomia, mal vestido, sujo, barbudo e com o número da besta estampando na sua pele o torna muito temido na região . Alguns fazem o sinal da cruz quando o vêem passar e as crianças correm para se esconder em suas casas.

Nas conversas que circulam pelo local as pessoas questionam sobre quem teria feito uma proposta deste tipo para ele? Alguns dizem que o próprio demônio, disfarçado de freqüentador de bar, o ludibriou aproveitando-se de sua fraqueza para gravar o seu número na testa do homem para,quem sabe, marcar a propriedade de sua alma...

Os que presenciaram o fato dizem que o estranho homem que lhe fez a proprosta sumiu sem deixar vestígios e nunca mais apareceu no local. Outros citaram que o cheiro de enxofre "empesteou" o lugar que teve de ser limpo durante vários dias....

História verídica conhecida por veranistas e moradores da região.....

by Luciano
Comentários
0 Comentários