Creepypasta:Ela precisa de mim

                               

ELA PRECISA DE MIM

Hoje faz um mês que tudo começou, sempre vou me arrepender de ter aberto aquele caderno se vocês não entenderam ainda vou contar oque aconteceu.
Tudo começou num tarde se sábado eu estava no facebook quando três amigos meus me chamaram do lado de fora da casa


-GABRIEÉÉÉÉL ATENDE VAGABUNDO
Eu me levantei e fui checar a La estavam eles meus colegas de classe, me perguntaram se eu queria sair com eles pra zoar um pouco,eu aceitei,vesti uma bermuda montei na minha bike e fui. Foi a pior decisão que eu tomei em toda a minha vida,em pouco tempo chegamos em um velho parque construído para as crianças na época que aquele lugar ainda tinha algum morador,ficamos lá conversando fazendo piadas, até que um dos meus amigos que se chama Breno disse a seguinte frase
-véio, que bagulho é aquele
E apontou para alguma coisa enterrada com uma ponta preta pra fora da areia, fomos nós quatro como plenos adolescentes idiotas e curiosos,desenterramos e vimos um caderno totalmente preto eu peguei abri e começamos a folhear o caderno a principio era um caderno normal com matéria escolar e tal mas depois de algumas paginas acabou a matéria e começou a aparecer algumas rosas vermelhas e varias vezes a frase”PRECISO DELE” ou “NÃO POSSO VIVER SEM ELE” e varias coisas do tipo achamos que era alguma pirralha com uma paixonite aguda que jogou o caderno fora porque não dava mais pra usar ou coisa assim, isso deveria ser cerca de 6 horas da tarde, nos pegamos a bikes jogamos o caderno no chão e fomos embora. Na segunda-feira apenas dois dos meus amigos estavam na sala de aula, eu perguntei se eles sabiam oque tinha acontecido eles arregalaram os olhos pra mim e disseram
-Você não se lembra?
Quando eu respondi que não foi que começou a ficar estranho eles disseram que dormiram na casa desse que avia faltado a aula, Luciano era o nome dele mas cerca de três horas da manha alguém chamou na porta e quando eles foram atender acharam que fosse eu mas quando ele chegaram perto os olhos do suposto eu estavam totalmente negros ele invadiu a casa tentou mata-los mas não conseguiu porque o a irmã mais nova dele ligou para a policia quando viu a briga dois ficaram bem mas o outro tinha varias marcas de faca em seu peito ele estava vivo mas nesse momento estava no hospital, depois disso foi um dia normal mas no dia seguinte uma noticia muito ruim chegou a mim, ele avia morrido, em uma noite esfaqueado e na outra morto, mas não foi algo por causa das facadas, alguém entrou no hospital de noite e cortou a garganta dele. O funeral foi no final de semana daquela semana após o funeral ficamos muito tristes já que ele era um grande amigo mesmo sendo muito instável e impulsivo depois de um tempo os meus dois amigos que ainda estavam vivos chegaram na escola com marcas de faca, não eram graves eram até pequenas e fracas mas formavam o desenho da mesma rosa que estava naquele caderno. Eu sou um pouco pirado com esse tipo de coisa então estranhei que não avia acontecido nada comigo já que eu fui o que teve mais contato com o caderno por ter sido o único que tocou e abriu o maldito caderno no final do dia eles me convidaram pra dormir na casa deles de sexta pra sábado eu aceitei e na sexta preparei minhas coisas e fui com eles, de noite eles quiseram virar a noite acordados mas eu tenho sono pesado e acabei dormindo no dia seguinte acordei com o rosto sujo de sangue. Fiquei paralisado com a cena, o menor de nos e mais fraco estava morto com um buraco no peito e seu coração em sua boca, Enrique era o nome dele o funeral aconteceu na semana seguinte durante o funeral eu fiquei confuso, dois mortos mas antes torturados,já faziam três semanas que tínhamos achado o caderno, eu já deveria ter entendido mas não avia mas escapatória, pelo menos para eles três no dia seguinte ao funeral eu acordei com o alarme do meu celular e ao lado dele eu vi uma faca suja de sangue. Nessa hora eu pensei que estava condenado, como eu queria estar certo eu sai e liguei a TV já que pela morte dos dois nosso coordenador mandou que ficássemos em casa, estava passando o jornal local que estava falando da morte de duas famílias inteiras, ironicamente era a família dos dois garotos mortos, enquanto eu ouvia isso encarava a faca suja de sangue. Coloquei a faca numa mochila e fui até a casa do meu ultimo amigo vivo, Breno era o nome dele, quando ele atendeu eu entrei e mostrei a faca e contei oque eu tinha visto na TV, pra minha surpresa na casa dele também aviam visto a reportagem então veio o verdadeiro susto, testemunhas e vizinhos viram o assassino e fizeram um retrato falado que foi exibido na reportagem, não sei porque mas eu fiquei feliz quando vi meu rosto como a descrição do assassino, pus o capuz montei em minha bike e fui pra casa, meus pais estavam preocupados pelo fato de eu ser suspeito dos assassinatos já eu nem tanto depois disso me confinei no meu quarto até o final de semana e só sai ontem de noite quando peguei a mesma faca e sai pela porta exatamente a meia noite, então fui bombardeado pelas lembranças de quando matei aqueles que chamei de amigos e mais algumas sobre uma garota,as lembranças ainda estão aqui mas eu estava fora de mim eu só lembro de ter ido até a casa do garoto que um dia eu chamei de amigo matar silenciosamente toda a família dele ir até ele e antes de mata-lo dizer a seguinte frase”ELA PRECISA DE MIM”hoje acordei pensando que foi um pesadelo até que falaram sobre o acontecido na TV quando descobri que tudo foi culpa minha uma carta apareceu na minha frente, eu a abri e li, parece que durante minhas andanças noturnas eu troquei cartas com uma garota que dizia me amar e perguntava se eu já avia me livrado “DELES” agora acabo de responder a carta e incendiar minha casa com minha família dentro, já estou com minha bagagem e estou partindo, mas ficou o problema: um garoto como eu posso ser robusto e intimidador mas ainda sim não posso ir sozinho, por isso estou com dois novos amigos comigo, um homem grande e magro de roupa social e um adolescente sorridente,eles prometeram me levar se eu prometesse não revelar suas identidades e os ajudasse, eu concordei e agora estamos andando em direção a ela
-PORQUE ÉLA PRECISA DE MIM


Autor: Gabriel Azevedo
Comentários
0 Comentários