Creepypasta:Sempre siga a luz! - Parte 2





Eu comecei a me lembrar de um ano atrás, fazia exatamente um ano que ela havia morrido. Mas a lembrança que me veio à cabeça foi um pouco antes disso. Foi em um dia como esse, com muita neve e o vento frio,
eu estava com uma roupa parecida com essa e minha irmã também estava com outra que também servia para o frio. Estávamos observando o céu, infinito e único como ele só e conversando enquanto fazíamos anjos na neve. "Irmãozinho, será que um dia nossos pais vão nos levar à Disney?", ela perguntava feliz. "Eu realmente espero que sim, também estou doido para ir!", eu respondia tentando dar algum conforto, na época eu sabia que nossos pais estavam longes de sequer ter a quantia necessária para fazer uma viagem dessas. Ficamos lá a tarde toda, brincando de anjos na neve, guerras de bola de neve e tudo relacionado à neve. Até o momento em que olhamos o céu e víamos ele ser coberto por algumas nuvens, um fenômeno um pouco comum, mas que acabou dando origem a uma ideia incomum. "Irmão, criei uma nova brincadeira!", dizia minha irmã enquanto corria até mim para me levantar da árvore na qual eu estava encostado cochilando. "Sério, qual é?", eu perguntava com curiosidade. "Olhe para o céu, vê aquela luz?". Eu desviei meu olhar para o céu para encontrá-lo parcialmente coberto. No meio dele estava um pequeno buraco, que permitia uma faixa de luz descender na Terra e assim iluminá-la, como uma estrela-guia ou o sinal de um caminho. Incrivelmente, os meus pensamentos se aproximaram da ideia de minha irmã. "Eu chamo esta brincadeira de 'Sempre siga a luz'!", ela dizia completamente animada e cheia de energia. Minha irmã sempre foi desse tipo, gostava de brincar não importa com o que fosse, ela só queria aproveitar e ser criança. Eu não podia negar isto a ela e decidi me juntar à brincadeira. "Então, como ela é?". "Bem...Eu estava pensando que nós deveríamos correr sempre atrás da luz, com o movimento das nuvens ela vai se distanciando e quem chegar e ficar exatamente embaixo dela primeiro, ganha!". Eu, de primeira, achava a ideia estúpida e só estava desposto a agradar a minha irmã. Até o momento que a vi correndo para a luz e vi nela uma imagem mais simbólica do que uma imagem de brincadeira. As nuvens representavam o que há de mal no mundo e a luz, a esperança. O pequeno faixo que tenta se espalhar no rosto das pessoas, a luz é o símbolo de que não podemos desistir perante ao mundo. Ver minha irmã correndo até ela representa o quão pura a infância é, quando não sabemos do mal do mundo e quanto ainda podemos ver tudo como um bem. A época da fada do dente, do papai noel e do coelho da páscoa, algo que todos queriam poder ter preservado para sempre. Eu queria reviver isto no momento, então eu me levantei e comecei a correr. Corri como nunca havia antes, e ri. Esbanjei um sorriso enquanto alcançava a minha irmã, ela sorria também e nos divertíamos. Nos divertíamos em um dia de neve e chato, algo que somente um laço forte entre irmãos poderia conseguir fazer. É ingênuo, absurdo, dizer que existia alguém que se divertia mais que a gente naquele momento. Um momento que aos poucos me fez voltar à dura realidade: Acabou...

Continua na proxima parte...

Confira a primeira parte clicando aqui.

Terceira parte aqui.
Comentários
0 Comentários