Creepypasta:Eu ainda não estou morto

Oi meu nome é Jonas, moro em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esta historia ocorreu comigo ha 5 meses.

Era sábado, estava em casa sozinho, sou solteiro e moro em um apartamento,tTomei meu café da manha e estava começando a me preparar para sair com meus amigos, nós íamos viajar para o interior de Minas Gerais. Enquanto tomava café, assistia TV, estava sintonizado na Globo e estava passando TV Globinho.


Do nada a TV deu um chiado, e desligou. Achei estranho mais resolvi deixar assim, tirei a TV da tomada, peguei minhas malas, escovei os dentes. Peguei minha carteira e documentos, tranquei a porta da casa, e fui para casa de um dos meus amigos. Estava muito frio, um frio tão forte que o vento batia na minha cara e parecia queimar minha pele. Enquanto andava reparava no meu bairro, estava quase vazio a não ser pelas pessoas nas lojas, meus dentes rangiam tanto que meu maxilar doía. Enquanto andava reparei na torre de TV da minha cidade, e no alto dela vi uma criatura preta, tenho miopia então não consegui ver direito o que era, achei que era um pássaro então deixei pra lá e continuei andando. Cheguei na casa do meu amigo, ele estava sentado na calçada da casa dele, enquanto íamos para o aeroporto, ele falou que 30 minutos antes de eu chegar a TV parou de funcionar e nenhum canal pegava, ligando os fatos achei muito estranho, a criatura estranha, a TV sem sinal e desligando. Chegando no aeroporto descobrimos que nosso voo foi cancelado, voltamos para casa e marcamos, para ir quinta, quando seria o outro voo, cheguei em casa, liguei a TV e tinha voltado o sinal, assistindo TV vi que na janela da minha sala podia ver uma luz vindo de cima da torre.

No outro dia, vários boatos sobre um estranha criatura estavam sendo repassados, como lendas urbanas são passadas, de boca a boca. Resolvi ver um vídeo que tinha feito do incidente e reparei que em 3 minutos e 50 seg do vídeo uma estranha criatura aparecia no canto inferior direito perto de um prédio. Dei um zoom, era um criatura preta, sem nenhum pelo no corpo, andava de um jeito estranho como se estivesse se contorcendo.

Fiquei muito assustado, e fui assistir TV no meio do programa, teve um chiado e estática por 30 segundos até que apareceu um frase dizendo "Eu sei que você me viu", depois "Melhor se esconder". Nesse momento eu fiquei pálido, congelei, não me movi. Como poderia ser, ele estava falando de mim? Nesse momento ouvi um barulho na minha janela, era ele, olhando para mim, eu corri e sai para o corredor, naquele momento sabia que nenhum lugar era seguro. Entrei na casa de um vizinho que não tinha janelas na sala, ele deixou eu ficar, no outro dia fui num cara, amigo meu que tinha uma venda de armas clandestina, nunca achei que precisaria desse cara, ele aceito me emprestar um arma, um espingarda, e munição, peguei e voltei para casa, dormi lá na minha casa, mesmo com muito medo. Acordei no meio da noite com um barulho na janela, não tive coragem de olhar, só corri para fora de casa, resolvi que iria enfrenta-lo, na escuridão da noite, sentia-me observado por todos os lados, quando a criatura apareceu no final da rua, minha mãos tremiam e eu corri para outra rua. Era um jogo de gato e rato, e eu era o rato, perto do meu bairro tinha um desfiladeiro, muito alto subi lá e olhava o tempo todo para todos os lados, o monstro apareceu, ele estava andando bem devagar, minha respiração estava rápida e ofegante, meu coração acelerado, e meus pelos arrepiados. Mesmo não sabendo, antes do monstro me matar atirei na sua cabeça, o tiro despedaçou metade dela, atirei outra vez desta vez no seu peito e ele caiu do desfiladeiro. Eu voltei para casa, relaxado sabendo que tudo tinha acabado, devolvi a arma para meu amigo e voltei.

Quinta-feira, ia viajar naquele dia. Ainda traumatizado com os acontecimentos dos dias anteriores, liguei a TV e assisti, enquanto tomava café. Do nada apareceu um chiando e estática e cinco palavra apareceram "Eu ainda não estou morto..."

Meu nome e Numero 47 e se vocês gostaram me digam que crio outra. :D

Fonte:CreepypastaBrazil
Comentários
0 Comentários